Vacina contra tétano e hepatite B pode ficar em falta nos postos

O Ministério da Saúde informou ainda que as compras com novos fornecedores têm sido encaminhadas para atender a demanda do país, onde mais de 800 mil doses da vacina são aplicadas todos os meses.

Entretanto, o abastecimento dos imunizantes está previsto para voltar ao normal somente a partir de novembro. Essa demora no recebimento é associada à dificuldade de produção e testagem da vacina.

O órgão também indicou que, apesar da falta de doses, o Sistema Único de Saúde fará uma busca ativa pelas crianças que completaram e completarão dois, quatro ou seis meses de idade entre os meses de agosto e novembro de 2019 para vaciná-las.

Embora não exista emergência epidemiológica no Brasil das doenças cobertas pela vacina pentavalente, a população deve ficar atenta ao calendário de vacinação para não perder a imunização contra essas cinco enfermidades.

Doses necessárias

A imunização pela vacina pentavalente consiste na aplicação de três doses, com intervalo de 60 dias. O recomendado é que ela seja dada nas crianças aos 2, 4 e 6 meses de idade, com limite até os seis anos.

Embora não seja uma regra, esse imunizante pode provocar algumas reações no organismo, que aparecem entre as primeiras 48 a 72 horas após a aplicação. Em geral, são efeitos leves, como febre e dores locais, que passam rápido e não causam complicações.

Doenças combatidas pela vacina pentavalente

Veja como se prevenir do tétano e evitar complicações que levam à morte

Confira os tipos, fatores de risco, causas e principais tratamentos da hepatite B

Descubra o que é o coqueluche e como combater essa doença altamente contagiosa

Fonte minhavida.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *